Aromaterapia: Emoções e energias com o poder dos aromas

Aromaterapia, emoções e energias. Nesse texto, o Dr. Malte Hozzel mostra o contexto do qual a Aromaterapia faz parte:

Trata-se de uma tomada de consciência que a humanidade, como um todo, está vivenciando. Um resgate, tão necessário, da dimensão espiritual da saúde e dos seres humanos. A aromaterapia pode nos auxiliar a ascender emocional e espiritualmente.

Uma nova compreensão

Felizmente, o acesso às abordagens naturais de cura está crescendo. Essas abordagens combinam o uso de Óleos Essenciais com terapias, como a massagem, a terapia de Chakra, a limpeza de Aura, a visualização e a meditação. A valorização desses métodos complementares de cura vem em boa hora!

Ao longo dos últimos anos, muitos estudos descreveram as propriedades físicas dos Óleos Essenciais. Contudo, o objetivo principal desses estudos foi a coleta de dados para empresas de perfumaria e aromatização.

Uma compreensão mais sistemática do valor terapêutico dos Óleos Essenciais é algo recente. Com ela ganhamos preciosas ferramentas para a medicina energética. A nova geração de curandeiros e pacientes tem a seu dispor um rico material de experiências e estudos a respeito do potencial de cura dos Óleos Essenciais. Desse modo, espera-se que haja um aprofundamento na compreensão do que realmente é a saúde. Essa nova compreensão deve destacar a importância da prevenção e do auto-cuidado.

Essa nova compreensão reflete uma importante mudança de paradigma, pois faz uma revisão crítica da medicina que visa somente o tratamento de sintomas. Isto corresponde à uma mudança na consciência moderna: estamos passando de uma compreensão unicamente material do ser humano para uma compreensão de sua totalidade psico-físico-espiritual. Em consequência disso, a tendência atual de uso irrestrito de drogas sintéticas, focadas somente na cura de sintomas físicos, está sendo revista. As drogas naturais, que respeitam a unidade holística do homem, estão ganhando espaço.

Aromaterapia, medicina energética, cura vibracional, terapias sutis do corpo, métodos de Chakra (etc…) são os próximos passos na busca por uma compreensão mais elevada da saúde. Uma compreensão que veja na consciência o principal motor de tudo e, portanto, a verdadeira responsável pela nossa espiritualidade, bem como nossa saúde psico-fisiológica. Isso significa reconhecer que somos mais do que meros corpos físicos.

Também implica que devemos re-introduzir a “alma” na ciência e na medicina moderna. Compreendendo que, em torno de nós, existem campos de energia que expressam nossos pensamentos, emoções e memórias. E mais: nós somos responsáveis por estes campos. Eles podem tanto curar como poluir, elevar ou degradar, contribuir para a felicidade ou o sofrimento de nós mesmos e de nosso ambiente. A ciência já reconhece que comunicamos muito mais através de nossa vibração do que pela linguagem corporal ou verbal. É preciso aprendermos a guarnecer esta energia e, se perturbada, facilitar seu re-equilíbrio. Como? Através das abordagens corretas (“de dentro”), antes que esses des-equílibrios somatizem, gerando males físicos.

A mente está acima da matéria

aromaterapia e emoções 3

Essa ideia é um salto quântico para a mente ocidental. Significa nosso reconhecimento de uma verdade milenar, conhecida pela filosofia oriental e também as antigas ciências médicas. A Ayurveda ou a medicina chinesa, em suas abordagens de cura, englobavam a totalidade cósmica do paciente e enfatizavam a prioridade das energias “sutis” da consciência sobre o corpo material. A doença, de acordo com a medicina chinesa, significa uma perturbação da harmonia interior. O objetivo da ciência da cura é trazer o sistema do paciente de volta ao equilíbrio.

 

A Ayurveda usa a palavra “kosha” (vaso) para os corpos de energia que compõem o ser humano. Algo como aquela boneca russa, que possui diferentes camadas. Na Ayurveda podemos destacar três Koshas. Há a camada da vida material bruta, “corpo-comida” (annamaya kosha) – que muitas vezes é confundido com a totalidade do ser humano, no Ocidente. Há uma camada de energia mais sutil (pranamaya kosha). E há aquela camada ainda mais sutil: “corpo da felicidade” (anandamaya kosha).

De acordo com a Ayurveda, a interrupção da felicidade ocorre quando há uma violação da lei natural. Esse é o primeiro passo que nos afasta da saúde. Charaka, o famoso médico Ayurvédico que viveu alguns milhares de anos atrás, afirma que “pragyaparadh” (o “erro do intelecto”, ou erro de compreensão), de nossa vontade e de nossa lembrança são as principais causas da doença.

Por mais amedrontador que possa parecer, temos de admitir que somos os responsáveis tanto por nossa doença e infelicidade quanto por nossa felicidade e saúde. Bem-estar ou doença tornam-se um reflexo de nossa inteligência emocional e cognitiva. Dependendo de como você metabolizar suas emoções e desejos em relação a seu caminho evolutivo, ou “Dharma”,então você deve desfrutar de longa vida (sânscrito: “Julio”) e felicidade.

A energia é alegria

Quando era estudante, nós costumávamos discutir se diferentes culturas ou “mentalidades” poderiam ser mais felizes do que outras. Seria possível encontrar um resultado objetivo para essa pergunta? Chegamos à conclusão de que a felicidade era meramente um termo subjetivo: ninguém era mais feliz do que o outro. Hoje penso diferente. As plantas medicinais e os óleos essenciais têm desempenhado um papel importante na compreensão e vivência da felicidade’ humana. “A energia é alegria” diz William Blake, o famoso poeta inglês. Esta é uma verdade profunda, especialmente se olharmos para as energias ocultas de nossa mente e corpo. Podemos experimentá-las em profunda meditação e união com a natureza – ou também em massagens aromáticas enriquecidas com plantas medicinais.

A medicina chinesa afirma que, se as pessoas se massageassem com mais frequência haveria menos guerras. Muitas pessoas tornam-se violentas por carência de carinho e toque. No século XIX, a mortalidade de crianças pequenas em orfanatos era extremamente alta. Isto não era devido à falta de higiene, mas devido ao fato dessas pequenas almas não serem embaladas e tocadas o suficiente – não serem amadas o suficiente. Que milagres incríveis podemos criar hoje ao usarmos Óleos Essenciais para o nosso “toque amoroso”, oferecendo massagem àqueles ao nosso redor ou até para nós mesmos…

Parece que estamos à beira de uma mudança coletiva: estamos começando a compreender a importância do toque e do carinho para a cura. O comportamento agressivo e insensível aumentaram a tal ponto na vida moderna que é quase impossível que um indivíduo sobreviva ileso. Nossa cultura clama por um retorno à verdadeira natureza: ao silêncio, à espiritualidade e ao direito dado por Deus: a felicidade. Pioneiros de nossa cultura – aqueles que carregam as mensagens de nova compreensão e comportamento ao mundo – estão ocupados em celebrar a magia de um dos encontros mais próximos que os seres humanos podem desfrutar: a “união mística” do toque aromático que cura.

Cheiro e toque

aromaterapia e emoções 4A redescoberta de nosso sentido olfativo acarreta mudanças em nossa apreciação dos aromas. A medida que vamos conhecendo os Óleos Essenciais passamos a distinguir com muito mais precisão os aromas naturais dos aromas artificiais. Unindo a aromaterapia à massagem, podemos redescobrir nosso senso olfativo e também nosso tato. Os aromas também nos tocam, de alguma maneira. O bulbo olfatório contribuiu em grande parte para o desenvolvimento da sensibilidade e das emoções dos mamíferos. Os sentimentos de afeição estão relacionados, em algum grau, com uma “recepção positiva” daquelas milhões de substâncias que nossas “células receptoras” do nariz identificam como agradáveis.

Em uma massagem aromática, “portas” do sistema nervoso central são abertas, simultaneamente, através de “cheiro” e “toque”, ativando uma sinfonia incrível de conexões neurais no cérebro. Derretendo estresses e traumas, chamados de “kleshas” na Ayurveda. Em nenhuma outra terapia os Óleos Essenciais revelam suas energias terapêuticas como na massagem aromática. A massagem, aliada aos poderosos Óleos Essenciais, nos ajuda a ajustar-nos espiritualmente, favorecendo sentimentos amorosos em nossos corações. Qualquer raiva, medo ou problema relacional, podem ser abordados através dessas poderosas substâncias mensageiras, destiladas do núcleo da natureza.

A consciência vegetal é antiga

Os Óleos Essenciais começaram a surgir na natureza a aproximadamente 200 milhões de anos atrás, nas árvores coníferas. A espécie humana ainda não estava presente nem existia. As substâncias aromáticas foram usadas pelas plantas para se defenderem contra o crescente número de germes. Substâncias aromáticas com moléculas cada vez mais complexas foram surgindo, até que uma grande gama aromática surgisse no mundo natural.

A consciência vegetal é antiga. Estudar as plantas aromáticas significa olhar para trás centenas de milhões de anos. Significa, também, reconhecer uma inteligência universal muito antiga. É motivo de grande admiração  lembrarmo-nos  de quanto tempo a natureza investiu, ao longo de sua evolução botânica, para nos presentear com uma lavanda, um alecrim, um tomilho, ou um jasmim. Muito antes da existência dos homens, as plantas já habitam a superfície da terra. O Rig Veda, o texto mais antigo da humanidade, fala das plantas como tendo sido enviadas do céu com o propósito divino de vida e assistência para os reinos mais elevados, como o reino animal e, dentro dele, o homem.  Levou um longo tempo para que as plantas conquistassem a terra… Mas sua paciência e inteligência adaptativa fizeram com que perdurassem ao longo do tempo.

A sabedoria vegetal tornou possível e também nutriu a vida humana e animal desde sempre. Fornece comida, abrigo, roupas, remédios e muito mais do que isso. As plantas, em seu cuidado abnegado e amoroso, exibem uma benevolência e beleza de que nós, seres humanos, somos carentes. As plantas são mensageiras do além, ligadas às energias transcendentes do universo. Devemos-lhes gratidão, amor e – hoje em dia – uma ética ecológica.

Desde os poderosos fenóis, presentes no óleo de orégano por exemplo, às sutis cetonas do óleo de Sálvia, vibram inúmeros mistérios do plano evolutivo da vida. As plantas medicinais e seus óleos essenciais fazem o invisível visível. Exibem padrões de energia, saberes, formas, cores e fragrâncias que estão ligadas diretamente aos seus poderes curativos. Muitos desses poderes precisam ser penetrados e compreendidos mais completamente.

aromaterapia e emoções 5

“As raízes desta árvore crescem no céu”

A compreensão dos níveis mais sutis e potentes da vida no universo é a chave para o homem “decodificar” as muitas línguas secretas das plantas. Essa compreensão propicia uma “fusão ” com o reino vegetal. Através da ligação com esse reino, o homem pode aproximar-se do espírito universal que rege todas as forças da vida, na planta e no homem simultaneamente.

Os rishis, visionários da civilização védica, chamavam as plantas de “Oshadhi”, que significa “portador ou receptor da energia luminosa” (Ojas) ou “vaso de transformação da luz”. Esta é uma idéia maravilhosa. As plantas armazenam, como em uma bateria, a luz solar. Isso inclui os raios infravermelhos e ultravioletas, importantes para o processo de fotossíntese. Também transformam a luz lunar e estelar em biofótons de energia, que chegam até nós, seres humanos, na forma de plantas. Matéria e campos energéticos se combinam em todas as estruturas vivas. São os dois pólos estruturais, onipresentes em toda criação e em todo ser. Podemos chamá-los de Yin e Yang, o Prakriti e o Purusha (Veda) ou a natureza e o espírito. O homem moderno está prestes a descobrir o elo oculto entre estes dois pólos. Sim, “as raízes desta árvore crescem no céu” como o Rig Veda declara.

A árvore é a nossa própria força de vida, o nosso corpo de energia sutil ramificando-se como uma “árvore de cabeça para baixo”. Pois nossas raízes alimentam-se da energia sutil que emana das esferas mais altas da vida.

As plantas têm a vantagem de “alimentarem-se” de uma forma mais harmoniosa dessas vibrações cósmicas e tem, por missão, irradiá-las ao mundo. Seus Óleos Essenciais são transportadores de energia altamente concentrada. Mensageiros da grande “usina” universal que nutre toda a vida a partir de um reservatório invisível de luz, cheio por toda eternidade. O amor humano é a melhor expressão desta luz na terra. As massagens aromáticas são recursos riquíssimos pelos quais se pode reconectar-se à fonte energética desse amor universal. Unindo a matéria e a energia, a forma e o disforme, o “acima e o abaixo”…

... unindo as partes, de modo a experimentar momentos de Unidade e Felicidade.

Dr. Malte Hozzel

Tradução e Adaptação: Yuri Oberlaender.

 

  • Alguma dúvida ou comentário? Sinta-se livre para participar de nosso conteúdo. Suas sugestões, dúvidas e comentários são bem-vindos! Você pode comentar abaixo ou mandar um email para: editorial@oshadhi.com.br .

14 thoughts on “Aromaterapia: Emoções e energias com o poder dos aromas

  1. Maria de Lourdes Gonçalves Lovato says:

    Encantador esse texto do Dr.Malte Hozzil,apresenta uma riqueza de sabedoria que faz a com que a reflexão seja profunda e verdadeira. Adimiro e respeito muito a natureza, sempre senti essa ligação,pois somos todos seres vivos e fazemos parte dessa conexão.Obrigado por compartilhar este maravilhoso conhecimento.Gratidão.

    • Webmaster says:

      Olá Maria de Lourdes!

      Grato por seu belo comentário. A ligação com a Natureza é essencial para nossa evolução, em nossa forma de ver.

      Ficamos felizes em saber que você gostou deste artigo.

      Um abraço!

  2. Maristela costa says:

    Uma amiga me enviou o texto pois ela sabe o quanto quero aprender sobre esse maravilhoso tema que já vejo mudanças em minha vida. Gratidão 😍😍😍😍

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *