Posso usar Óleos Essenciais quando estiver grávida?

“Gestantes podem usar Óleos Essenciais?” Essa dúvida é frequente e muito importante! Nesse post reproduzimos um excelente artigo da Associação Nacional para Aromaterapia Holística (EUA). Ao final do post você encontra duas tabelas práticas e simples com orientações de segurança.

 

Esse artigo da Associação nacional de aromaterapia holística dos Estados Unidos (NAHA – USA) possui uma riqueza de informações e uma abordagem consciente em relação a esse controverso tema. Compartilhamos uma tradução feita por nossa equipe editorial, com o intuito de que essas informações possam chegar também ao público brasileiro.

A NAHA[1] adota diretrizes semelhantes à Federação Internacional de Aromaterapia Profissional (em inglês IFPA). Aqui estão as suas diretrizes. Visite ifparoma.org para obter mais informações sobre a IFPA.

“O uso de óleos essenciais durante a gravidez é um tema controverso e que ainda não foi totalmente compreendido. A principal preocupação durante a gravidez parece ser o risco dos constituintes do óleo essencial atravessarem a placenta. De acordo com Tisserand e Balacs, cruzar a placenta não significa necessariamente que haja risco de toxicidade para o feto; isso dependerá da toxicidade e da concentração plasmática do composto[2]. É provável que os metabólitos de óleo essencial atravessem a placenta devido ao contato íntimo (mas não direto) entre o sangue materno e o embrionário, ou fetal. Tony Burfield continua dizendo: “no meu entendimento a atitude responsável é desencorajar completamente o uso de óleos essenciais durante os primeiros meses de gravidez”[3].

 oleos-essenciais-gravida-1Jane Buckle comenta: “o uso de óleos essenciais na gravidez é um assunto controverso, especialmente durante o primeiro período vital de 3 meses. É extremamente improvável que um banho noturno contendo algumas gotas de óleos essenciais causará problemas para o bebê”. “Não há registros de fetos anormais ou fetos abortados devido ao uso “normal” de óleos essenciais, quer por inalação ou por aplicação tópica” [4].

De acordo com Wildwood, “Um mito comum na aromaterapia é que os óleos de massagem contendo óleos essenciais, como a Sálvia Sclarea, Rosa ou mesmo Alecrim podem causar aborto e, portanto, devem ser evitados durante a gravidez. Autores, como Ron Guba, Kurt Schnaubelt e Chrissie Wildwood, apontaram que não houve casos registrados de aborto ou defeito de nascimento resultantes da massagem de aromaterapia usando aplicações terapêuticas de qualquer óleo essencial” [5].

Ron Guba ressalta que a toxicidade durante a gravidez é quase exclusivamente devido a mulheres grávidas que tomam grandes doses tóxicas de óleos essenciais, principalmente o Poejo (rico em cetona e pulegone, que é metabolizado para o epóxido de furano altamente tóxico, menthofuron) e Semente de Salsa (Rica em éter de dimetilo, apiol) na tentativa de abortar o feto[6]. E Battaglia compartilha essa visão: “o uso judicioso de óleos essenciais, juntamente com formas adequadas de massagem por um terapeuta hábil, pode ajudar a aliviar os desconfortos da gravidez e proporcionar um senso de nutrição que irá confortar a mãe em momentos em que ela pode estar se sentindo muito frágil” [7].

Devido à falta de informações claras sobre a toxicidade dos óleos essenciais durante a gravidez, seria melhor aderir às diretrizes gerais de segurança. De acordo com Tisserand e Balacs, os seguintes óleos essenciais não devem ser utilizados durante a gravidez: Absinto, Arruda, Musgo de Carvalho, Lavanda Stoechas, Cânfora, Salsa sementes, Sálvia e Hissopo[8].

Os seguintes óleos essenciais, adequadamente diluídos, parecem ser seguros para uso durante a gravidez: Benjoim, Bergamota, Pimenta Preta, Camomila (alemã e romana), Sálvia Sclarea, Cipreste, Eucalipto, Frankincense, Gerânio, Gengibre, Grapefruit, Junípero, Lavanda, Limão, Mandarina, Manjerona (doce), Neroli, Petitgrain, Rosa, Sândalo, Laranja (doce), Tea Tree, Ylang Ylang.”.

 

oleos-essenciais-gravida-2

 

oleos-essenciais-gravida-3

REFERÊNCIAS:

[1] National Association fo Holistic Aromatherapy ( Associação Nacional para Aromaterapia Holística) –> https://naha.org/

[2] Bensouilah J, and Buck P. Aromadermatology. Abindon, UK: Radcliffe Publishing Ltd.

[3] Tisserand, R., and Balacs, T. (1995). Essential Oil Safety. New York: Churchill Livingstone.

[4] Bensouilah J, and Buck P. Aromadermatology. Abindon, UK: Radcliffe Publishing Ltd.

[5] Tisserand, R., and Balacs, T. (1995). Essential Oil Safety. New York: Churchill Livingstone.

[6] Burfield, T. (2000). Safety of Essential Oils. International Journal of Aromatherapy, Vol 10.1/2

[7] Buckle, J. (2003). Clinical Aromatherapy. Philadelphia: Elsevier Science.

[8] Wildwood, C. (2000). Of Cabbages & Kings Aromatherapy Myths, part II. Aromatherapy Today, 14, p. 12–14.

 

Salvar

9 thoughts on “Posso usar Óleos Essenciais quando estiver grávida?

    • Editorial Oshadhi says:

      Boa tarde, Simone!

      Sim, você consegue encontrar os produtos da Oshadhi nos EUA.
      Outra boa marca que consegues encontrar por lá é a Tisserrand.
      Esta marca está associada ao aromaterapeuta Robert Tisserrand, pessoa
      com um trabalho muito sério e consistente na área da Aromaterapia.

      No mais, desejamos uma boa viagem e boa estadia nos EUA.

      Um abração!

  1. Juliana Maristela de Oliveira Mazon says:

    Olá boa noite o óleo de Copaiba e Malaleuca? Tenho trombofilia… e gostaria de usá-los? Alguma sugestão? Obrigada! Obrigada! Gratidão!

    • Editorial Oshadhi says:

      Olá, Juliana!

      Em casos específicos de saúde, como a trombofilia, recomendamos que você consulte um
      aromaterapeuta qualificado. Ele poderá te dar uma orientação melhor neste caso.

      Sabemos que o óleo de Copaíba é um rico anti-inflamatório e o de Melaleuca destaca-se por sua atividade antisséptica.

      Um abração!

  2. Victória Ramos says:

    Boa noite,
    Tenho dúvidas sobre o uso dos óleos de patchouli, cravo e hortelã-pimenta durante a gestação e não consigo achar referências sobre.
    Obrigada

    • Editorial Oshadhi says:

      Olá, Vitória Ramos! Bom dia.

      De pronto, o óleo de Cravo não parece uma boa opção, pois possui alta concentração de fenóis, que são muito potentes.
      Quanto ao Patchouli e o Hortelã-pimenta, não lembro-me de ter visto restrição quanto ao seu uso, desde que devidamente
      diluídos em óleo vegetal. Diluições com baixa concentração de óleo.
      O mais recomendado é consultares uma aromaterapeuta de confiança, para poder te orientar neste uso.

      Abaixo reproduzo a tradução de um trecho de um artigo escrito pele NAHA (Associação Nacional de Aromaterapia Holística):

      “Devido à falta de informações claras sobre a toxicidade dos óleos essenciais durante a gravidez, seria melhor aderir às diretrizes gerais de segurança. De acordo com Tisserand e Balacs, os seguintes óleos essenciais não devem ser utilizados durante a gravidez: Absinto, Arruda, Musgo de Carvalho, Lavanda Stoechas, Cânfora, Salsa sementes, Sálvia e Hissopo.

      Os seguintes óleos essenciais, adequadamente diluídos, parecem ser seguros para uso durante a gravidez: Benjoim, Bergamota, Pimenta Preta, Camomila (alemã e romana), Sálvia Sclarea, Cipreste, Eucalipto, Frankincense, Gerânio, Gengibre, Grapefruit, Junípero, Lavanda, Limão, Mandarina, Manjerona (doce), Neroli, Petitgrain, Rosa, Sândalo, Laranja (doce), Tea Tree, Ylang Ylang”.

       Óleos essenciais para serem evitados durante a gradivez, trabalho de parto e amamentação:

      – Anis (Pimpinella anisum);
      – Manjericão qt. Estragole (Ocimum basilicum);
      – Bétula (Betula lenta);
      – Cânfora (Cinnamomum camphora);
      – Hissopo (Hyssopus officinalis);
      – Artemísia (Artemisia vulgaris);
      – Salsa (Petroselinum sativum);
      – Poejo (Mentha pulegium);
      – Sálvia (Salvia officinalis);
      – Tanaceto (Tanacetum vulgare);
      – Estragão (Artemisia dracunculus);
      – Tuia (Thuja occidentalis)”.

      Você pode acessar o artigo completo aqui: https://naha.org/explore-aromatherapy/safety/

      Um abração!

    • Editorial Oshadhi says:

      Bom dia, Fernanda!

      Não é aconselhável o uso de quaisquer óleos essenciais no primeiro trimestre de gravidez.
      Na sequência, o Grapefruit pode ser utilizado sem problemas. Observe a necessidade de diluição, caso
      vá utilizá-lo na pele.

      Um abração!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *