Uma visão espiritual do Covid-19: quais benefícios a Aromaterapia pode trazer? (parte II)

Portadores da Luz

Não precisamos reinventar a roda. Nós apenas temos que aprofundar nosso conhecimento da Natureza e combinar seus mecanismos de defesa seculares com nossa abordagem científica moderna.

Os Óleos Essenciais são mensageiros da Luz Solar. Com seu equipamento bioquímico polimolecular, eles se desenvolveram como aliados de interação entre as plantas e a própria Natureza, numa dinâmica viva de desafio/resposta. Possivelmente, os Óleos Essenciais são a maior resposta contra o crescente impacto de germes que ameaçam e simultaneamente provocam o impulso de diferenciação de espécies de plantas no curso da evolução da Vida na Terra. E não apenas “germes”…

A medicina moderna, com suas fórmulas químicas, não pode replicar a qualidade (e complexidade) curativa que os Óleos Essenciais revelam em sua interação com o organismo humano. Esses tesouros da Mãe Natureza carregam o próprio ser, a essência, da planta original a partir da qual são obtidos. Eles são portadores de luz (em sânscrito “Oshadhi” significa isto), abençoados com os dons divinos da força vital, inteligência natural e energia vibratória, características que os produtos farmacêuticos não possuem. Além disso, os Óleos Essenciais não carregam nosso corpo com efeitos colaterais indesejáveis, como muitos medicamentos convencionais, mas transmitem vários efeitos colaterais positivos.

 

O ponto importante é termos um novo entendimento do que (de fato) é a doença

 

 “Na nova medicina”, escreve o Dr. Ryke Geerd Hamer, “as chamadas doenças, como as entendíamos anteriormente, não existem. Elas são apenas programas biológicos especiais e úteis da natureza … Todo o nosso dilema decorre do fato de estarmos praticando medicina de sintomas na Europa há 1500 anos. Tudo era religiosamente dividido em “benigno” e “vicioso”: o câncer era maligno, micróbios, febre, fadiga, todos os supostos “sintomas da doença” eram malignos e tinham que ser erradicados – como o pecado … Mas se a Mãe Natureza – apesar de nossas tentativas pseudo-terapêuticas e sem sentido – tiver sucesso em sua maneira de curar, então tomamos esse sucesso como nosso próprio crédito. E, como aprendizes de feiticeiros, nos sentimos incrivelmente inteligentes! ” (http://www.neue-medizin.de/html/krebs.html).

Nesta perspectiva, a doença não acontece por acaso ou por uma maldição, ou pela imposição tirânica da Natureza. O novo medicamento do milênio terá de adotar uma nova perspectiva: não podemos mais pensar em termos de “todos esses perigosos micróbios e vírus malévolos e a terrível malignidade do câncer”. Em sua plenitude esta nova medicina verá todas as causas externas definidas como doenças, mesmo as chamadas “doenças infecciosas” e pandemias como o COVID-19,  como “medidas de emergência” criadas pela Natureza para salvar o organismo – e o todo coletivo – e não para destruí-lo. Para “salvar” significa: evitar mais danos ao sistema.

As doenças devem ser reconhecidas como educadoras pessoais ou coletivas. Elas são significativas para progredirmos na compreensão de nosso papel enquanto seres humanos responsáveis e habitantes de um planeta muito especial. Não devemos enxergá-las, definitivamente, como um “programa de sobrevivência”, mas como um treinamento para aumentar nosso conhecimento, o verdadeiro conhecimento sobre nossa verdadeira missão humana aqui na Terra.

Após tantas centenas de milhares de anos de evolução humana, é hora de dar início à novos padrões de pensamento, dar uma reviravolta em nossa compreensão de nós mesmos, do mundo, da sociedade, da Natureza, do Divino. O Universo tem seus próprios caminhos… Se não estamos nos movendo rápido o suficiente, ganhamos… um chute! Toda a perspectiva da medicina moderna (ocidental) está errada. Temos nos esforçado para tratar o sintoma – na lógica: encontre o “inimigo” e, em seguida, mate-o (se necessário). Essa é uma perspectiva muito ruim da verdadeira história por trás da doença. A história subjacente é muito mais interessante. E, acima de tudo, devemos fazer a pergunta nº. 1: por que existe um inimigo? Em termos espirituais:

 

 “Se temos um inimigo, isso mostra que nossa fraternidade (capacidade de sermos amigos) não foi suficiente”. Maharishi Mahesh Yogi 

 

 

Então, os padrões comportamentais que se apresentam em nosso corpo, nossa mente e nossa alma também refletem nosso comportamento com o nosso “parceiro” mais próximo: nós mesmos. Somos amigáveis ​​o suficiente conosco mesmos, perdoando o suficiente, sorrindo o suficiente – com nosso coração, nossos lábios e nossas palavras?

É possível que “nademos” neste “mundo louco” sem danos, sem causar danos, fazendo amizade com o mundo dentro e fora de nós mesmos? Não se trata de matar o inimigo, mas de mudar padrões errados de comportamento (maus hábitos) em todos os níveis: no sentir, no pensar, no falar, no se comportar, no comer, no socializar… Vamos primeiro encontrar o “inimigo” aqui dentro, antes de pedir ao médico que nos prescreva algumas pílulas e nos mande para o hospital! Então, qual é o nosso “programa de sobrevivência” para a crise do COVID-19 quando tantas pessoas estão morrendo?

Uma coisa é certa: a natureza não está preocupada com a morte tanto quanto nós. Visto de uma perspectiva espiritual – que é a perspectiva da natureza – não há morte real. Mas o medo da morte pode ser usado pela Natureza para educar uma pessoa ou a coletividade, de modo a modificar seus padrões de comportamento, mudar a matrix – interna e externa – que representa a verdadeira prisão do indivíduo. Sob essa visão, podemos aceitar o medo – mas também tentar encontrar uma maneira de superá-lo através de novos impulsos transformacionais que nos impactem como um todo.

De volta a alguns pontos práticos

Vários cientistas, como Hudson e Vimalanathan, do departamento de Patologia e Medicina Laboratorial da Universidade da Colúmbia Britânica (Vancouver / Canadá) “demonstraram que a fase vapor ou“ gasosa ”de certos OE´s mostram boa atividade antibacteriana, antifúngica e antiviral, às vezes melhor do que a fase líquida correspondente do óleo” (disponível em: http://www.essencejournal.com/pdf/2014/vol2issue1/PartA/8-565.pdf).

Alguns estudos também indicam que todo óleo não fracionado, e também as sinergias de Óleos Essenciais antimicrobianos, podem ter uma alta potência e ser tão ou mais eficientes quanto os chamados “princípios ativos” sintetizados em laboratório. Isso sugere uma perspectiva de um novo tipo de “alquimia da cura”, feita com base na experiência da Natureza com compostos bioquímicos ao longo de milhões de anos.

Pode-se também pensar em um spray que combine poderosos Óleos Essenciais antimicrobianos e que possa ser vaporizada em uma máscara respiratória 2-3 minutos antes de usá-la. Isto pode ser um recurso simples (e altamente eficaz) para a proteção individual diante de influências bacterianas e virais, como a atual crise do COVID-19, e também em caso de pneumonia, bronquite ou qualquer outro tipo de gripe.

 

Óleos Essenciais para a situação atual:

Limão 

Famoso por sua capacidade de purificação, considerado um “purificador de ar”, é um óleo antibacteriano e antiviral. Mesmo os pequenos vírus não serão capazes de resistir. Os cientistas franceses Morel e Rochaix provaram, décadas atrás, que as partículas evaporadas do óleo de Limão são capazes de neutralizar: 

• o meningococo (meningite – infecção no sangue) dentro de 15 minutos; 

• a bactéria Ebert (Tifo) em apenas 1 hora; 

• o pneumococo (pneumonia etc.) em 1-3 horas; 

Staphylococcus aureus (infecções da pele e respiratórias, intoxicação alimentar) em 2 horas; 

• os estreptococos hemolíticos (decompõe os glóbulos vermelhos). 

É um óleo muito eficiente para ser usado em um difusor, em casa ou no escritório. Nos hospitais, deveria ser obrigatório.

Coentro sementes (Coriandrum sativum)

Ideal para combater vírus que atingem a esfera ORL (ouvido, nariz, garganta) ou o trato urinário. Sua aplicação pode ser feita por massagem, diluído em uma base de óleo vegetal. O Óleo Essencial extraído de suas sementes mostrou resultados dramáticos contra todas as principais bactérias de origem alimentar, como as formas patogênicas de Escherichia coli e muitas outras. O alto teor de álcoois monoterpênicos e monoterpenos recomenda o uso deste Óleo essencial como agente imunomodulador, analgésico, anti-inflamatório em reumatologia e também como agente antibacteriano e antiviral. 

Hissopo Decumbens (Hyssopus decumbens) 

Este óleo demonstrou ser interessante para o tratamento da gripe, bronquite e várias condições otorrinolaringológicas. É um poderoso agente antiviral, fortemente anticatarral, expectorante e notavelmente anti-asmático. Também tem ação revigorante e estimulante no sistema nervoso simpático. 

Manjerona (Origanum majorana) 

Este óleo demonstrou-se eficiente contra vírus que afetam a esfera otorrinolaringológica e também para infecções virais da pele, como a herpes zoster, a varicela ou a psoríase. O óleo tem seu grande trunfo no caso de todos os tipos de deficiências imunológicas. Seus efeitos anti-infecciosos incentivam seu uso na difusão em caso de epidemias, fadiga geral ou infecções virais e bacterianas. 

Ravintsara (Cinnamomum camphora var. cineoliferum) 

Poderoso agente antiviral e anti-bacteriano. Realiza maravilhas em casos de gripe, infecções brônquicas, problemas de pele virais e infecções otorrinolaringológicas. O óleo de Ravintsara é excepcionalmente antiviral e microbicida, também é um bom imunoestimulante e um ótimo auxiliar para o sistema cardiorrespiratório (devido à sua ação anti-catarral e expectorante). Limpa o trato respiratório e é um bom tônico, neurotônico e um forte energizador.

Tea Tree (Melaleuca alternifolia) 

Famoso por suas propriedades gerais e seus fortes efeitos anti-infecciosos em muitos níveis, incluindo o trato respiratório, o óleo de Tea Tree possui atividade protetora e é desinfetante natural contra o vírus influenza. Um óleo ideal para vaporizar em um difusor. 

Cardamomo (Elettaria cardamomum)

A princípio, o óleo de Cardamomo é um digestivo muito eficiente, carminativo e também um óleo altamente antiespasmódico. Mais do que isso, porém, com sua grande quantidade de “eucaliptol” (1,8-cineol), mostra-se também um bom anti-catarral e um poderoso expectorante. De modo geral, o óleo de Cardamomo é rico em ingredientes anti-infecciosos. Em pesquisas, este Óleo Essencial mostrou atividade antimicrobiana contra quase todos os microrganismos testados. Outros estudos concluem que esse óleo pode ser um componente importante em novos medicamentos antimicrobianos. Os pesquisadores afirmaram que a atividade antimicrobiana do óleo como um todo pode ser o resultado de poder danificar a membrana celular de certas bactérias e inibir a “detecção de quorum” – a comunicação de célula a célula de germes patógenos.

Eucalipto radiata (Eucalyptus radiata)

Altamente expectorante e depurador do sistema respiratório. Bom em caso de rinite, sinusite, otite. (com ações similares ao óleo de Tea Tree). O óleo de Eucalipto radiata tem uma longa história como agente protetor contra muitas bactérias (incluindo tuberculose e MRSA – Staphylococcus aureus resistente à meticilina), vírus e fungos (incluindo Candida). É fortemente imunoestimulador, anti-inflamatório, antioxidante, analgésico e espasmolítico. Seu melhor uso é na forma de inalação do vapor, que proporciona benefícios para problemas respiratórios, como bronquite, asma e doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC).

Capim-limão (Cymbopogon flexuosus)

O óleo de Capim-limão é fortemente antiviral e antibacteriano. Estudos apontam que este Óleo Essencial reduziu a bactéria Escherichia coli (em alimentos) a níveis indetectáveis. O óleo de Capim-limão é uma boa solução para neutralizar os patógenos alimentares. Também mostra excelente atividade antimicrobiana contra Bacillus cereus, Staphylococcus epidermidis e Streptococcus pneumoniae. O óleo também exibiu efeitos inibitórios contra Bacillus subtilis e fungos.

 

Louro (Laurus nobilis)

O óleo de Louro é famoso por seus efeitos nos distúrbios otorrinolaringológicos e também respiratórios. As propriedades anti-infecciosas, expectorantes e mucolíticas do óleo de Louro fazem dele uma boa opção para o tratamento de todos os tipos de infecções virais do trato respiratório. Na vaporização e na difusão, este óleo mostra alta eficiência contra germes transportados pelo ar, particularmente contra aqueles que criam gripe, bronquite, candidíase, fleuma e sinusite. Com seu poder revigorante, é também um óleo usado contra diferentes tipos de doenças degenerativas. “As propriedades antivirais do óleo essencial de Louro foram objeto de pesquisas bem documentadas, por exemplo, um estudo conduzido por Monica R. Loizzo, da Faculdade de Farmácia da Calábria / Itália. Ela demonstrou a atividade in vitro do Óleo Essencial de Louro no vírus SARS-CoV, responsável pela epidemia de SARS em 2003.

Murta ct. Cineol (Myrtus communis cineoliferum)

O óleo de Murta é, acima de tudo, um grande expectorante, além de mucolítico eficiente. Seus compostos bioquímicos, como o 1,8-cineol (eucaliptol), exercem forte ação sobre as membranas mucosas, facilitando a eliminação de muco. Este composto também é muito ativo para acalmar inflamações em todo o sistema respiratório. O óleo de Murta é definitivamente um dos “respiradores” da aromaterapia – com propriedades muito fortes para combater a tosse e todos os tipos de problemas brônquicos. Também podemos classificá-lo como um “descongestionante” multi-nível. Não se esqueça: o desenvolvimento da resistência antimicrobiana se tornou um problema global. Testes mostraram o alto potencial do Óleo Essencial de Murta contra mais de uma dúzia de cepas patogênicas responsáveis ​​por muitos tipos diferentes de infecções.

Alecrim qt. Cineol (Rosmarinus officinalis)

Poderoso auxiliar contra infecções pulmonares, como bronquite, tosse e todos os tipos de patologias da esfera otorrinolaringológica e do trato respiratório, inclusive infecções microbianas e congestão. O óleo de Alecrim qt. Cineol é uma forte defesa bacteriana contra staphylococcus aureaus, staphylococcus branco, estreptococo (etc.).

Niaouli (Melaleuca quiquenervia) 

Um óleo muito interessante, possui fortes propriedades anti-catarral, expectorante e mucolítica. O óleo de Niaouli é um poderoso agente aromático antiviral e antibacteriano – altamente ativo, como mostram pesquisas, no combate ao Staphylococcus aureus. O óleo de Niaouli também é especialmente eficaz no controle de doenças infecciosas, em particular as causadas por patógenos intracelulares.

 Possíveis aplicações: 

Você pode utilizar os Óleos Essenciais mencionados em uma mistura – ou também utilizá-los sozinhos. Existem diferentes combinações possíveis. Estes óleos foram selecionados principalmente tendo em vista o que conhecemos do COVID-19. Você pode utilizá-los com diluição adequada em sua pele, também pode evaporá-los ou inalá-los diretamente do recipiente. Outro modo especialmente eficaz para a situação que ora atravessamos é elaborar um spray com estes óleos e borrifá-lo em sua máscara de uso cotidiano. Isto permitirá uma olfação prolongada capaz de nos proteger de possíveis contágios. 

 

 

Autor: Dr. Malte Hozzel

(artigo original: https://carrieroflight.blog/2020/06/09/aromatic-reflections-for-moments-of-crisis-part-2/). 

Tradução e Adaptação: Yuri Oberlaender

Alguma dúvida a respeito de Aromaterapia e Óleos Essenciais? Fique a vontade para fazer sua pergunta abaixo, nos comentários, ou entre em contato em nosso email: editorial@oshadhi.com.br. Quando respondermos ao seu comentário, você receberá um aviso em seu email (lembre-se de conferir sua lixeira e spam). 

6 thoughts on “Uma visão espiritual do Covid-19: quais benefícios a Aromaterapia pode trazer? (parte II)

  1. Vanessa says:

    Excelente textos, parte 1 e 2! Obrigada por compartilha-los!
    Fiquei apenas com dúvidas em relação a possíveis contra indicações desses óleos – gravidez, lactação, criança (a partir de quantos anos?), pressão alta, por exemplo. Existe alguma?
    Mais uma vez, obrigada!

    • Editorial Oshadhi says:

      Bom dia, Vanessa! Tudo bem?

      Ficamos felizes de que tenhas gostado do artigo e agradecemos seu feedback.

      Quanto às possíveis contra-indicações, cada óleo possui suas especificidades.
      Vou mencionar aqui algumas das principais, em relação aos óleos mencionados no artigo:

      1- Todos os óleos cítricos (a não ser os LFC), quando usados na pele, podem ter efeitos fototóxicos (manchas quando em contato com o Sol).
      Portanto, ao usá-los na pele, deve-se evitar (de 2h pelo menos) a exposição solar.

      2- Os óleos que possuem o componente Cineol devem ser utilizados com cautela por pessoas que possuam pressão alta, pois este
      componente químico estimula a circulação.

      3- O uso dos óleos essenciais em crianças devem ser feitos com cautela, respeitando as diluições adequadas:

      – 2 a 6 anos : 1 -2 %;
      – 6 a 15 anos : 1.5 – 3%;
      – 15 + : 2.5 a 5 %;

      3- Em grávidas, um óleo que apresenta problemas é o Hissopo Officinalis, que é diferente do decumbens (indicado no post).

      Em todo caso, estou enviando ao seu emial um guia detalhado a respeito de segurança e Aromaterapia, caso querias mais detalhes.

      Um abração!

    • Editorial Oshadhi says:

      Bom dia, Fatima!

      Ficamos felizes que gostastes! Grato por seu feedback.

      Respondendo à sua pergunta:

      Com os óleos indicados no artigo, é possível fazer uma imensa variedade de combinações.
      Vamos sugerir-lhe uma:

      Em um recipiente de vidro, coloque 8 ml de hidrolato de Tea Tree e adicione:

      – 2 gotas do OE de Ravintsara;
      – 1 gota de OE de Cardamomo;
      – 1 gota de Louro.

      Quando for usar, será preciso sacudir bem, para que a misture tenha um grau de homogenização.

      Um abração!

  2. Dulcemary Uchôa says:

    parabéns pela materia. Excelente. Como disse anteriormente estou estudando aromaterapia e sou uma fã incondicional. Tenho uma questão: não posso comprar agora todos os óleos indicados na matéria. Tenho preferência por 3 ( limão, tea tree e eucalipto – tenho rinite). Você acha que esses 3 seriam bons para o objetivo (Covid19) ou tem melhor sugestão?
    muito grata e parabéns

    • Editorial Oshadhi says:

      Olá, Dulcemary!

      Grato por seu feedback a respeito deste artigo.
      Sim, estes três óleos possuem propriedades virótica.
      Sendo assim, podem ser bons auxiliares na defesa contra vírus, de modo geral.

      Um abração!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *